domingo, 4 de abril de 2010

Albert Von Schrenck Notzing (Barão)

1862 – 1929 
Ele nasceu 18 de maio de 1862, em Oldenburg, na Alemanha, e estudou na Universidade de Munique. 


Foi psiquiatra forense e membro da aristocracia alemã, tornou-se interessado na pesquisa psíquica em 1889. Colaborou com Richet, Lombroso, Lodge, e muitos outros em investigações durante 30 anos. Enquanto ele estava relutante, aparentemente fora de conservadorismo científico, a mediunidade com link válido com a sobrevivência, ele foi, todavia, convencido plenamente da realidade da mediunidade. 


Ele começou o trabalho com a médium Eusapia Palladino, em cujas sessões em Roma, ele estava presente já em 1894. Ele a seguiu por toda a Europa e convidou-a duas vezes a Munique como seu convidado. Mas ele não declarou sua crença na realidade dos seus fenômenos até 1914 e só publicou seus registros de Roma e Munique, em sessão Physikalische Fenômenos des Mediumismus em 1920. 

Por muitos anos ele estudou os fenômenos de materialização de Eva C. (Marthe Béraud), em Munique e na casa de Juliette Bisson em Paris. Seu livro, Phenomena of Materialisation, publicado na Alemanha em 1914, ao mesmo tempo como de trabalho Bisson em França, é amplamente ilustrada com fotografias. 

Ele investigou também médiuns espírita médiuns como: Willi Schneider, Rudi Schneider, Stanislawa e Dencausse Valentine. 

Foi um dos maiores pesquisadores dos fenômenos de efeitos físicos na Alemanha. Sendo que obteve cabelos do espírito materializado, comparando-os, microscopicamente com os da médium, constatando que não poderiam ser da mesma pessoa. Também deu resultado de exames químicos de uma certa porção do ectoplasma, que foi reduzido a cinzas, com o cheiro de queimado. Entre os seus elementos encontrou cloreto de sódio (sal de cozinha) e fosfato de cálcio. Conseguiu filmar o ectoplasma saindo da boca do médium. 

Ele declarou sobre os fenômenos de materializações de espíritos em um Congresso Espírita: 

"Eu sou da opinião que a hipótese dos espíritos não só não conseguem explicar os mínimos detalhes destes processos, mas em todos os sentidos que obstrua e algemas das investigações científicas séria." 

Finalmente, no caso de muitos fenômenos, a natureza e a evanescência de sua aparência, suas, mudando e fantásticas formas de fluxo e seu modo de desenvolvimento até chegar a sua forma final, argumenta contra qualquer possibilidade de uma produção fraudulenta deles - mesmo se supor que um dos presentes teria tentado enganar seus observadores do companheiro. 


Ele morreu 12 de fevereiro de 1929, em Munique, na Alemanha.

Nenhum comentário:

Postar um comentário