sábado, 24 de abril de 2010

José de Freitas Nobre

José Freitas Nobre nasceu em 24 de março de 1921, em Fortaleza, Ceará.

Aos 15 anos veio para São Paulo. Trazia consigo um livro editado sobre a revolução acreana "A Epopéia Acreana" e inúmeros artigos publicados em jornais.

Assim que chega vira manchete do "Diário da Noite", com o título de "Garoto Prodígio escreve a história do Acre".

0 menino cearense surpreende a grande cidade com o seu brilho precoce.

Era a primeira vez que São Paulo se rendia a inteligência de Freitas Nobre mas não seria a última.

Mais tarde a cidade adotada o reconheceria como o seu legítimo representante, elegendo-o vereador, vice-prefeito e deputado federal.

Começava a sua carreira de jornalista.

Trabalhou nos Diários Associados, Ultima Hora, Folha da Manhã e 0 Cruzeiro.

Sua preocupação em defender os direitos da categoria levou-o à vida sindical.

Por três vezes foi presidente do Sindicato dos Jornalistas e duas ocasiões presidente da Federação Nacional dos Jornalistas (1950).

Advogado, formado pela Faculdade de Direito do Largo São Francisco, lecionou Direito da Informação e Legislação dos Meios de Comunicação na Escola de Comunicação de Arte, da USP e na Faculdade Gaspar Libero.

Além de vários livros de História e Direito editados no Brasil e no Exterior, publicou algumas obras doutrinárias: "0 Transplante de órgãos à Luz do Espiritismo", "A Perseguição policial contra Eurípedes Barsanulfo", "0 Crime, a psicografia e os transplantes" e também dirigiu, apresentou e organizou a coleção Bezerra de Menezes, publicados pelas Editoras 0 Clarim e Edicel.

Foi fundador e "durante 16 anos editou a FOLHA ESPÍRITA, o primeiro jornal doutrinário a ganhar as bancas de jornais do país, trazendo uma nova linguagem e um novo direcionamento para a imprensa espírita (...)

(Transcrito em parte da "Folha Espírita", São Paulo, SP; texto de Miriam Portela). "Foi vice-prefeito de São Paulo de 1961 a 65, na gestão de Prestes Maia (PSB).

Em 1968 filiou-se ao MDB, mantendo-se na liderança do mesmo na Câmara dos Deputados durante cinco anos.

Teve quatro mandatos.

Como advogado e jornalista escreveu 22 livros, entre os quais: "Lei de Informação" (1968), "Le Droit de Repouse" (1970), "Imprensa e Liberdade", "Os Princípios Constitucionais e a Nova Legislação" (1987), "Anchieta, o Apóstolo do Novo Mundo". "(...)

Como Espírita, ocupou a tribuna de inúmeras entidades, levando a informação doutrinária em palestras, congressos e simpósios.

Foi Autor de dois projetos na Câmara em favor do Esperanto: um, para a introdução do Esperanto nas Escolas; outro, visando a que o Esperanto fizesse parte das línguas optativas nos exames vestibulares, junto com o inglês e o francês (...) e deu apoio à fundação do Grupo de Esperanto dos alunos da USP."

Foi ele quem abriu no plenário da Câmara dos Deputados o Congresso Mundial de Esperanto, realizado em Brasília em 1983. "(...)

Na época em que foi escolhido "como vice-prefeito, no segundo mandato de Prestes Maia conhece Chico Xavier e inicia-se uma longa amizade.

"Durante as reuniões públicas da Comunhão Espírita Cristã, de Uberaba, Chico recebe uma mensagem de Emmanuel destinada à Freitas Nobre.

Nela, Emmanuel falava de sua longa tarefa de pacificação do Brasil.

E Chico acrescentou

- "Dr. Nobre, Emmanuel está dizendo que o senhor será chamado a atuar em época muito difícil para o nosso país, quando haverá, inclusive perigo de derramamento de sangue.

Primeiramente o Brasil caíra muito à esquerda, depois à direita e finalmente caminhará pelo centro, até encontrar seu verdadeiro destino.

Haverá turbulência nesses períodos de mudança e o senhor atuará como pacificador, evitando confrontos e radicalizações.

"Era maio de 1962.

0 país ainda se refazia da renúncia de Jânio Quadros, Jango Goulart é deposto e os militares tomam o poder.

Instala-se a Ditadura.

As previsões de Emmanuel começam a se concretizar.

"Freitas afasta-se da política e vai para Paris (1964)(...) onde sob a orientação de Fernando Térrou, realiza na Sorbonne doutorado de Direito e Economia da Informação: "Em 1968, já de volta ao Brasil, recebe novas mensagens, através da mediunidade de Chico Xavier.

Desta vez o emissário é Bezerra de Menezes que lhe envia notícias, comunicando-lhe que seria reintegrado aos quadros políticos.

"Longe da política, assumiu as funções de advogado (...) e voltou a atuar em diversos órgãos de imprensa, como "Jornal da Tarde", "Diário do Grande ABC", revista "Imprensa" e TV Gazeta.

Em 1972 foi incluído na lista de "Cassação branca" da Universidade de São Paulo, à qual retornou com o término do seu mandato de deputado federal, pelo empenho do reitor José Goldemberg e do Governador Franco Montoro.

Reintegrou na USP por concurso, conquistando os graus de Livre Docente em 1968 e Professor Titular em 1990.

"Nestes 16 anos de atividade parlamentar, Freitas Nobre cumpriu a tarefa de pacificar a Nação (...) e pelo fim do arbítrio.

Durante todo esse período, Bezerra de Menezes manteve, através de Chico Xavier, uma correspondência permanente com o deputado.

São cartas, bilhetes, recados, estreitando ainda mais a amizade entre os três.

"Foi um dos parlamentares da luta pela anistia, pela legalização dos partidos de esquerda, pelo restabelecimento das eleições diretas, pela Convocação da Assembléia Constituinte. (...)

Depois de rápida passagem pelo PDT, ele participa da criação do PSDB.(Transcrito em parte do "Correio Fraterno do ABC", São Bernardo do Campo, SP; texto de Altamirando Carneiro).

"Desencarnou no dia 19 de novembro de 1990, em São Paulo, de insuficiência respiratória aguda.

Seu corpo foi velado na Câmara Municipal de São Paulo, onde políticos, jornalistas, amigos e parentes lhes prestaram a última homenagem.

0 Presidente do PMDB, Ulisses Guimarães lembrou que Freitas era o trabalhador incansável, sempre um dos primeiros a chegar e um dos últimos a sair nos trabalhos da Câmara.

"Estiveram presentes os companheiros de Doutrina e amigos da Federação Espírita do Estado de São Paulo, da USE, do Clarim, da Rádio Boa Nova, de Guarulhos (SP), da AMESP - Associação Médico Espírita de São Paulo, além de outros representantes de Grupos Espíritas.

"No dia 19, também os anônimos, os humildes, os injustiçados estiveram presentes ao salão da Câmara Municipal...

Foram agradecer... Despedir-se do seu representante político".

José Freitas Nobre era casado com a Dra. Marlene Severino Nobre, e deixa quatro filhos Dra. Marlene é médica, profa da USP e diretora da Associação Médico Espírita de São Paulo - AMESP.

Referências: Transcrito em parte da FOLHA ESPIRITA, São Paulo, SP; texto de Miriam Portela Tribuna Espírita – Abril/Junho de 1991

Nenhum comentário:

Postar um comentário